sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

O aeroporto dos cebolas

É um terreno baldio ao lado da pista (BR-235), bem em frente ao Posto da Polícia Rodoviária Federal. Era a resposta comum quando se perguntava onde ficava o aeroporto e achava estranho o fato de sempre passar pela pista, pelo menos uma vez por semana, em viagem para Aracaju, consequentemente passava sempre ao lado e nunca vi e nem ouvia alguém falar do dito aeroporto. Isso em decorrência da grande maioria da população não saber da existência e sequer era falado nas escolas!

A primeira vez que escutei que existia esse tal campo de aviação (pequeno aeroporto), em Itabaiana, fiquei curioso e como toda criança curiosa tem o hábito de fazer a prova da janela, fui comprovar in loco a existência do mesmo. Um grande terreno baldio com alguns pés de Jurubeba, tinha um pequeno campo de pelada (futebol soçaite), um pouco de lixo e ainda tinha muito terreno sem nenhuma vegetação.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Branca, cheirosa e gostosa

casa-de-farinha.jpgDepois de uma caminhada, pelo comércio, me dirijo a um restaurante e como sei que esses restaurantes do sul (estava na capital São Paulo) nunca oferecem farinha nordestina, eu questiono o garçom: tem farinha nordestina? o garçom: temos da melhor do Brasil, veio direto da Bahia!

Tomei um susto, mas pedi que me trouxessem a dita farinha. Quando servida, a farinha era amarela e um pouco grossa! Questionei ao garçom: mas essa farinha não é de mandioca e se veio da Bahia deve ter sido de algum baiano bem esperto para vender farinha de terceira como se fosse a melhor farinha do mundo. Onde moro a farinha é branca, cheirosa e gostosa. O garçom ainda interpelou: não moço, eu garanto que essa farinha é de primeira e veio da Bahia. Eu fui logo respondendo: já vi que você não é nordestino e nunca comeu uma farinha de primeira. Vou repetir, de onde venho a farinha é branca branca, cheirosa e é gostosa. Como eu já tinha experimentado a dita farinha baiana, eu fui logo rebatendo: essa não é uma farinha de mandioca de primeira e está misturada com farinha de milho. Não precisa nem experimentar, basta cheirar que se percebe.

domingo, 12 de novembro de 2017

Tomando banho de sol II

Com o passar do tempo, a onde ou moda de se bronzear ao sol (tomar sol) passou a ser feito em piscinas e conseqüentemente a moda das piscinas veio junto. Para mostrar status, a sociedade itabaianense procurou fazer uso das piscinas de várias maneiras: a elite financeira construíram suas piscinas particulares, existiam reservatórios para irrigação que eram usados como piscina (uma foi a Piscina da Serra), piscinas em clubes privados (AABB era um deles), em clubes para associados (Associação Atlética de Itabaiana), e tinha a opção se tomar banho nas piscinas dos balneários.


O Balneário de Salgado.


No período que surgiu a onda de se tomar banho em piscinas não existia balneário na Cidade de Itabaiana (hoje já existe) e a opção mais próxima e utilizada era se deslocar, geralmente nos paus-de-arara, até o município de Salgado. Ainda hoje existe o balneário de Salgado, mas muito pouco freqüentado e de certa maneira um pouco esquecido da grande maioria dos ceboleiros. As piscinas foram caindo de moda e tão esquecidas que até pouco tempo muita gente não tinha conhecimento do novo balneário existente em Itabaiana!

sábado, 4 de novembro de 2017

Tomando banho de sol

Durante o inverno era comum muitas pessoas se aquecerem sob o sol, da manhã, para se aquecer e amenizar o frio da madrugada. Durante as caminhadas que fazia nas idas aos sítios dos colegas e parentes, eu sempre percebia as pessoas de cócoras, nos pátios das casas, se aquecendo ao sol. Na realidade muitos estavam se aquecendo enquanto aguardavam o jantar da manhã (eles sempre falavam aguardando o café) para depois irem para o exaustivo trabalho na roça.

Os seres humanos não eram os únicos animais que aproveitavam o raiar do sol para se aquecer. Vários outros animais ficam postados ao sol e os urubus eram os mais comuns. Sempre pousavam em árvores muitas altas e ficavam de asas abertas para se aquecerem. Para os outros animais nem sempre era possível tal feito. Um coelho ou mesmo um preá não poderiam se dar ao luxo de ficarem expostos em locais altos tomando sol, pois poderiam ser vítimas de algum predador pelas redondezas.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

As cenouras, os coelhos e as convicções


Sempre me passaram a ideia que cenoura é o alimento preferido dos coelhos e isso me foi ensinado quando criança. Na adolescência, além da predileção dos coelhos pelas cenouras, fiquei sabendo que cenoura era bom para a vista e eu ficava me perguntando de onde tiraram a afirmação. Foi que de tanto me informarem da tal qualidade das cenouras, eu passei a questionar: de onde você tirou essa ideia? Sempre recebia uma outra pergunta de volta: você já viu algum coelho de óculos?

Durante o curso na universidade (UFS) escutei essa afirmação dezenas de vezes. Claro que os meus colegas estudantes faziam essa afirmação sabendo que era apenas uma brincadeira, mas o que eu sempre achei interessante é que tinha algumas pessoas nas áreas rurais que afirmavam com convicção de como era uma coisa verdadeira, mas era somente convicção e não um fato comprovado.

sábado, 7 de outubro de 2017

O encantador de cobras


Sempre achei impressionante as pessoas que ganham a vida mostrando um controle sobre as cobras (serpentes). Inicialmente, pensava que encantador de serpentes fosse coisa somente do mundo árabe, depois passei notar, vendo alguns filmes, que os indianos também praticam essa atividade. É bom lembrar, que essas ideias sobre pessoas encantando serpentes nos são ensinadas através de filmes no cinema e na tv.

Mas como o decorrer do tempo passei a notar que no Brasil, mais especificamente na minha terra natal, tínhamos nossos encantadores de serpentes No passado, quando ainda frequentava as feiras do interior, era comum vermos os chamados marreteiros se utilizando de serpentes para venderem seus produtos. Tudo bem que os encantadores de serpentes que víamos no cinema e na TV ganhavam a vida encantando as serpentes fazendo com que elas ficassem dançando e com isso as pessoas sempre pagavam com alguma quantia pelo espetáculo. Já no nosso querido Brasil, as serpentes era apenas um meio de atrair a atenção das pessoas para vender algum produto e o produto mais vendido usando serpentes era a famosa Diogenina em Pó.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Antigas profissões dos cebolas XII - Os aprumadores de ruas

Toda criança observar com nitidez o lugar onde mora e sempre costuma comparar com os lugares que visita. Uma das coisas que sempre observava, quando criança, era as ruas por onde passava e comparando com as ruas das cidades vizinhas, eu sempre me perguntava: por que as ruas da minha cidade começam estreitas e terminam larga? Ou começam largas e terminam estreitas?

Rua Monsenhor Constantino (antigo Beco do Ouvidor) - Foto Google Maps
A rua onde morava, quando criança, só tinhas residências em um dos lados, mas a medida que se aproximava do centro da cidade (praça da matriz e feira) era com casa em ambos lados e a partir do local que ela tinha casa em ambos os lados, era estreita e quando chegava perto da feira a rua era larga!

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Uma onda em Itabaiana!


Foto conseguida no Grupo Itabaiana Grande (facebbo e adm. Robério Santos)
Uma das coisas que eram raras na minha cidade (ainda é) eram os parques de diversão. Aliás, não chamávamos os brinquedos de parque de diversão e sim de brinquedos de natal e isso porque esses brinquedos geralmente só apareciam justamente no período das festas natalinas (também eram conhecidas como feiras de natal).

Durante alguns anos as festas natalinas eram realizadas na Praça Santa Cruz (Praça do Cinema) e o brinquedo mais semelhante em pegar uma onda era brincar nas chamadas barcas, que simulavam um barco subindo e descendo as ondas do mar.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

OS DOIDOS E OS LOBISOMENS

Uma das coisas mais fantásticas que sempre presenciei eram as rodas de conversas que existiam para falar de causos. Os assuntos mais falados eram lobisomens, carneiro de ouro, doidos, saci pererê, mula sem cabeça, fogo corredor, da vida dos outros e principalmente das filhas dos outros (fofoca).

Os doidos

Nestas rodas de conversas, os doidos eram todas pessoas que normalmente agiam diferentes dos ditos adultos, mas nem todos que eles diziam serem doidos, eram realmente doidos. .Bastava o sujeito beber mais que o normal ou a pessoa se vestir fora dos padrões conhecidos que já era taxado de doido.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Antigas profissões dos cebolas XI - Os desentupidores de fossa

Era conhecido como Tunel. 
Se pronuncia como se fosse
acentuado com acento agudo
no e (tunél)
Ainda hoje existem os profissionais que trabalham desentupindo as fossas, mas vou falar como era realizando esse serviço antigamente. Atualmente são usados equipamentos modernos fabricados especialmente para esta finalidade, montados em um caminhão para esse tipo de trabalho que é feito de maneira rápida e limpa. Inclusive o serviço pode ser feito de dia sem o incômodo do mau cheiro e da sujeira peculiar da matéria prima em questão.

Equipamento utilizado

Era usado um equipamento simples e por isso só trabalhava no ofício quem tinha coragem. Todo o serviço era realizado usando luvas, pás, enxadas e o transporte utilizado era uma carroça de burro que em cima tinha um tambor de metal onde era colocado as fezes da dita fossa.

domingo, 11 de junho de 2017

Antigas profissões dos cebolas X Os catadores de lavagem

Criar porcos ainda é um ofício em pleno exercício da atividade. Existem aos montes, mas nada tem em comparação aos antigos criadores de porcos existentes nas pequenas cidades do interior e neste caso mais específicos irei falar sobre os antigos criadores de porcos que existiam nas décadas sessenta e setenta do século XX, na cidade de Itabaiana (SE).

Os porcos eram criados em chiqueiros (pocilgas) onde o que prevalecia era a existência de muita lama e o mau cheiro que se espalhava pela redondeza. Muito desses chiqueiros pertenciam a moradores da área urbana, que gerava conflito com os vizinhos, justamente por causa do mau cheiro. Em algumas ocasiões, os vizinhos, dos chiqueiros, colocavam os chamados “bolos” (comida envenenada), na ausência dos donos, para matarem os porcos e se livrarem do chiqueiros e consequentemente do forte mal cheiro. 

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Antigas profissões dos cebolas IX - O acendedor

Uma profissional que eu sempre via todas as tardes e manhãs era o acendedor. Todo dia pela manhã e pela tarde vinha uma pessoa com uma vara enorme com um gancho na ponta. Esse gancho era usado para ligar a rede elétrica que iluminava as ruas durante a noite. Ante de se colocar a rede elétrica, com os postes de energia, já existia a figura do acendedor, mas ele acendia lampiões a querosene.


A tecnologia extinguiu a profissão


A passagem do uso de lampiões, a querosene, para rede elétrica proporcionou uma queda no número de acendedores. Para iluminar as ruas era obrigatório ir em cada lampião para acender a chama e com a substituição pela rede elétrica foram colocadas lâmpadas em cada poste e uma única chave ligava todas a lâmpadas da rua, ou seja, o profissional não precisava mais se deslocar de poste em poste e apenas ir até a chave em cada rua.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Antigas profissões dos cebolas VIII - Vendendo o estranho flau


Durante muito tempo o único produto gelado, vendido por ambulantes, era o Picolé da Maravilha. Muita gente imagina que o picolé foi o primeiro produto a ser substituído por equivalentes industrializados, mas na realidade, pelo menos em Itabaiana, o Flau apareceu primeiro. Isso ocorre devido já serem vendidos o famoso Ki-suco. Eram encontrados no supermercado (só existia um na cidade) e nas bodegas da cidade (na época não se usava o termo mercearia). Era um produto que tinha sabor de frutas artificializado (nunca senti o gosto da fruta), já era consumido normalmente e aceito pela população.

domingo, 30 de abril de 2017

Antigas profissões dos cebolas VII - Vendendo o picolé da maravilha


Eram dezenas de criança vendendo picolés, não existia adultos vendendo picolés, e o coro tradicional de atrair o provável consumidor era: olha aí o picolé da maravilha, quem tem dinheiro compra e quem não espia. Quando tinha garota bonita nas proximidades, tinha a brincadeira: mulher bonita não paga, mas também não leva.

Eram transportados em caixas de isopor pendurados no ombro por uma correia. Vendidos nas feiras, campo de futebol (melhor horário era antes do jogo) e em campinhos de peladas. Estranhamente, raramente eram vistos nas praças Fausto Cardoso (em frente a igreja) e na praça Santa Cruz (em frente ao cinema).

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Antigas profissões dos cebolas VI - O Vendedor ambulante de Manuês

Quando alguém se referia a manuês estava falando de bolos de milho, arroz ou puba. Hoje ninguém usa mais o termo manuês e não existem vendedores ambulantes de manuês, mas podem ser encontrados vendedores de manuês, com produtos colocados à venda em bancas em praticamente todas as cidades do nordeste. Os locais mais comuns onde podem ser encontrados são nas feiras livres, mas também vendem seus produtos em bancas localizadas estrategicamente em praças e pontos de ônibus.

Formas onde eram assados
os manuês e também eram
usadas para transporte e venda.
Os vendedores eram garotos que ganhavam dinheiro vendendo os bolos pelas ruas e praças da cidade, mas não se encontrava eles vendendo nas feiras, pois nas feiras os bolos eram vendidos nas bancas juntamente com outros tipos de iguarias.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Antigas profissões dos cebolas V - O vendedor aambulante de arroz-doce

O arroz-doce é uma iguaria que até hoje é vendida e consumida nas comunidades do Nordeste, mas é vendida juntamente com outras iguarias. Mesmo no meu tempo de criança já existiam vendas de arroz-doce, mingau de puba e mungunzá em pequenas bancas localizadas nas feiras e em locais de grande movimento. Mas o vendedor de arroz-doce ambulante faz tempo que sumiu das feiras onde era frequentemente encontrado.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Antigas profissões dos cebolas IV - Os vendedores de Rolete de Cana


A venda de roletes (muita gente pronunciava roleto) de cana era uma coisa muito corriqueira nos meus tempos de criança e o consumo era surpreendente. Podiam-se comprar roletes nas feiras, nas praças, na frente das igrejas (no horário das missas) e até mesmo nos campos de futebol.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Antigas profissões dos cebolas III - O Vendedor de Cavaco Chinês

Todos os finais de feira era certo a passagem de um rapaz vendendo Cavaco Chinês pelo Largo santo Antônio e nas segundas-feiras, quando vinha da Feira de Carira (SE), era certo ver a passagem do mesmo a vender pela Praça dos Táxis (Praça General João Pereira).

O Cavaco Chinês era carregado condicionado dentro de latões reutilizáveis de manteiga mineira, pendurados no ombro por uma correia de couro e o vendedor ia batendo com uma haste de metal em um triângulo para chamar a atenção dos possíveis clientes. O triângulo é idêntico aos que é usado nos trios de músicas nordestinas e diferente de outros vendedores, o único som utilizado para atrair os possíveis clientes era o da batida do triângulo.

domingo, 12 de março de 2017

Antigas profissões dos cebolas II - O Vendedor de água em latões

vendendor-agua.jpg
Foto tirada ao lado do Brasília Bar, tendo ao fundo a Praça Fausto Cardoso e o lado
da Prefeitura Municipal de Itabaiana (SE).
Foto conseguida no Grupo Itabaiana Grande (Facebook)
O ofício de vender água em latões era uma profissão que durou até que foi implantada a Rede de Fornecimento de Água Encanada em Itabaiana. Depois de implantada a Rede de Fornecimento de água, os vendedores de água mudaram de profissão e alguns ainda resistiram durante algum tempo vendendo água em alguns povoados.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Feira de Itabaiana (SE): Em se plantando tudo dá

Pujante, cultural e produtos Made in Itabaiana

Do Blog de Silvio Oliveira

Itabaianenses no Centro de
abastecimento
A expressão “em se plantando tudo dá” remete à Carta escrita em 1º de maio de 1500 por Pero Vaz de Caminha ao rei Dom Manuel, contando sobre a terra recém-descoberta. A expressão é usada até hoje para designar uma terra fértil e, no caso atual de Itabaiana (SE), cidade próspera do Agreste de Sergipe que fica a poucos 35km de Aracaju, cai bem para designar a quantidade de hortifrúti encontrada na feira livre.


Os gostos, sabores, cores, cheiros e sensações são de transformar um espaço de compras do dia a dia em ponto turístico.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Antigas profissões dos cebolas I - Vendedor de água na moringa

Poucas pessoas, dos dias atuais, conhece uma moringa. Um recipiente feito de barro, usado para guardar água para beber e que durante algum tempo foi usada para venda de água em locais públicos, tais como: campos de peladas, nos locais de canteiros de obras (principalmente de casas) em geral e mais especificamente nas feiras.

Pode parecer estranho, para os dias atuais, uma situação de pessoas, na maioria das vezes crianças, vendendo água de beber em um recipiente de barro. Mas, é bom lembrar que no passado, principalmente em Itabaiana, não existia a figura da “água encanada” (serviço de distribuição de água) e mesmo depois da implantação deste serviço, demorou um bom tempo para que a grande maioria dos habitantes se tornassem usuários do sistema.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

A Feira de Itabaiana XV - Fazendo a Feira !

Uma das coisas mais tradicionais na Cidade de Itabaiana é as pessoas irem fazer a feira, mas quem realmente faz a feira? Quem compra ou quem vende?

Desde criança sempre imaginei a feira sendo uma porção de bancas expondo mercadorias para serem vendidas, as pessoas que colocam que transportam as mercadorias (na época era feita quase em sua totalidade por carroceiros), as que colocavam as banca eram os responsáveis de fazerem a feira! Mas tem o problema de quem vai comprar e diz na realidade que vai fazer feira! Mas quem faz a feira?