segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

CAMINHÃO DE BRINQUEDO

Protótipo básico do meu caminhão
Durante toda minha infância fui visitado pelo Papai Noel somente uma única vez. E meu pai (o verdadeiro Papai Noel) e minha mãe resolveram me presentear com um carro de mão de madeira. Na realidade um ônibus de madeira!

Já naquela época, o orgulho dos moradores da cidade (Itabaiana-SE) era o grande número de caminhões existentes na cidade e como todo garoto da época queria ter um caminhão. Não sei por que motivo os meus pais resolveram me presentear com um ônibus!

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Os Cebolas, os tanques e as lagoas IX

O Açude Velho


O Açude Velho era a lagoa mais falada da cidade e estranhamente ninguém sabe exatamente o nome oficial da mesma! Como na época só existiam duas represas na cidade, as duas foram batizadas de Açude Velho, por ser a primeira construída, e a segunda de Açude Novo, mas está tinha registro do governo como Açude da Macela. Segundo alguns moradores, antes da minha chagada aqui na terra, existia um açude na parte oeste da cidade e era conhecido como açude velho (eu diria velhíssimo), mas isso foi antes da minha chegada nesta vida.

O Açude da Macela foi construído em um local que existia uma planta com esse nome e por isso recebeu essa denominação.

Devido a proximidade com a área urbana era comum a garotada
 ir nadarem suas águas. Embora tivesse suas águas poluídas!

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Os Cebolas, os tanques e as lagoas VIII

As lagoas da Rua Dr. Hunaldo Cardoso


Na rua Dr. Hunaldo Cardoso (atualmente Rua José Mesquita), eu residi em três casa e nesta época existiam duas lagoas que no período do inverno desaguavam e parte da água invadiam a parte lateral da rua. Uma das lagoas ficava na propriedade da Família Barbosa e a outra em terreno pertencente a prefeitura, no encontro com a Rua Miguel Teixeira.

Quando se passa pela atual Rua José Silveira Mesquitas as pessoas da geração atual nem imagina que bem em frente onde residia o Sr. Zeca Mesquita existia uma lagoa. Hoje não existe nem a lagoa e nem a casa do Sr. José Mesquita!!!
Uma das lagoas ficava do lados esquerdo na propriedade da Família Barbosa.
No lado direito era onde ficava a Residência do Sr José Mesquita.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Os Cebolas, Os Tanques e as Lagoas VII

As lagoas escondidas

É muito comum deixarmos passar despercebidos detalhes dos locais onde moramos e um desses detalhes despercebidos eram quatro lagoas existentes próximo onde morava na Rua Hunaldo Cardoso (hoje se chama Rua Zeca Mesquita).

Quando fui morar na Rua do Ouvidor (Rua Monsenhor Constantino) tinha seis anos de idade e quando minha mãe ia vender na feira me deixava aos cuidados da família de seu Armilindo. Ele tinha uma “budega” na esquina com o Beco Novo e a residia na parte dos fundos da casa.

Em uma dessas ocasiões choveu durante toda a manhã. No fundo da residência existia um bueiro e neste dia passava uma água forte e constante. Eu, juntamente com alguns garotos conseguimos um jereré e ficamos pescando neste bueiro. Chegamos a pegar algumas piabas, foi quando o controle familiar chegou com medo que fossemos arrastados pela água.

Alguns dias depois, como toda criança curiosa, pequei uma cadeira e subir por cima do muro para ver de onde vinha à água que passava pelo bueiro. Uma lagoa na parte do fundo do terreno, pertencente a Seu Zeca, no lado esquerdo olhando do beco. Hoje essa lagoa não existe mais e por incrível que pareça, o terreno continua sem construções depois de mais de quarenta anos.
Existia uma lagoa no canto do terreno na parte dos fundos. Na época na existia a 
casa com a antena parabólica, somente a casa da esquina. Quando chovia a água
 se espalhava por todo o terreno.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Os Cebolas, Os Tanques e as Lagoas VI

O Tanquinho


Cena comum na minha infância
Em Itabaiana existiam muitos campos de peladas (Futebol Soçaite) e era comum garotos moradores de um região da cidade irem jogar com outros garotos em outras regiões.

Um domingo pela manhã, a turma da minha rua, fomos convidados para jogar em um campo chamado Mangueirão. O campo ficava em área considerada rural, cercado de mangueiras e no lado direito, sentido sul norte, passava uma estrada que levava até o Açude Novo. Passei a utilizar essa estrada par ir fazer minhas pescarias.

Dia chuvoso, o campo com algumas poças d’água e muita lama. Ambiente perfeito para uma pelada cheia de brincadeira onde o que menos importava era justamente a prática de futebol. Na hora de irmos embora estávamos todos emporcalhados pela lama! Foi quando um dos garotos, morador da região, nos convidou para tomar um banho no Tanquinho!
- Fica onde?
Aqui! Do lado do campo.

domingo, 24 de agosto de 2014

É ALÍ!


Acho que é ali... Estátua em memória
 de José Martí,  no bairro de El
Vedado, em Havana, Cuba
Quando criança era comum minha mãe se assustar com o meu desaparecimento. Como toda criança era normal ficar curioso e costumava explorar os arredores de onde morava. Como costumávamos mudar de endereço, pelo motivo de morarmos de aluguel, era comum o curioso sempre está sumindo de maneira repentina. 

Nesta época tudo era longe e como quem tem boca vai a Roma, eu sempre perguntava, aos adultos, onde ficava os lugares que tinha curiosidade de conhecer e a resposta era sempre: é ali!. 

No começo ia até o Povoado Lagamar ou mesmo até o outro lado da cidade (Povoado São Luiz). Achava muito distante, mas as pessoas sempre informavam que era logo, ali! 

sábado, 16 de agosto de 2014

Os cebolas, os tanques e as lagoas V

As lagoas em frente ao Hospital


Por ocasião da construção do Conjunto General João pereira ainda se notava, nos arredores, a presença do que foi uma malhada (roça). Resto de leiras (covas para plantio), algumas manqueiras e alguns tanques. Na realidade dois tanques bem próximos um do outro. Ficavam bem em frente ao local onde hoje fica o Hospital Dr, Pedro Garcia Moreno (inicialmente se chamou Hospital Rodrigues Dória).

Seguindo pela rua em frente existia um pinguela, feita com o tronco de uma árvore,
que dava acesso a Rua do Fato (Rua Itaporanga)

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Os cebolas, os tanques e as lagoas IV

Lagoa na praça de eventos


Quando tinha meus sete anos de idade, eu costumava ir até a casa da madrinha da minha mãe. Ela morava no Povoado São Luiz, que hoje é um bairro! Onde hoje fica localizado o Campo do Itabaiana (Estádio Presidente Médici) e a Praça de Eventos era uma grande terreno coberto por uma imensidão de areia branca. Toda a praça era utilizada como campos de peladas. Nesta época, no lado onde oeste da praça, existia uma lagoa! Não era uma lagoa grande, mas existia e com um pequeno pé de mangueira bem as margens.

Como naquela época minha mãe não me deixava ir até o outro lado da cidade, oposto de onde morávamos, não cheguei ver o aterro desta lagoa. Acredito que tenha sido aterrada com a construção do Estádio Presidente Médici.

Utilidade da praça

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Os Cebolas, os Tanques e as lagoas III

Lagoa dos juncos


No ano de 1971 (século XX) estudava a quinta séria ginasial no CEMB (Colégio Estadual Murilo Braga). Neste ano, um dos trechos que ficava no caminho para escola era passar pela frente do Cemitério almas de Itabaiana e atravessava o que deveria ser no futuro a Praça e que nunca se tornou uma praça!

A futura Praça 

O terreno (um grande alagado), que deveria ser praça, acabou sendo doado a Associação Atlética de Itabaiana! Mas mesmo assim, o terreno que deveria ser a Associação Atlética de Itabaiana não foi totalmente ocupado pelo clube. Grande parte foi vendido para construção de casa residenciais e comerciais. Uma das primeiras casa residenciais, a serem construídas, foi a do dentista Dr. Ueliton e umas das primeiras casas comercias foi o prédio dos correios. 

domingo, 29 de junho de 2014

Os Cebolas, os Tanques e as lagoas II

O Açude Novo


Quando garoto, só existiam dois açudes públicos na cidade de Itabaiana - SE. Em decorrência, as pessoas se reportavam como Açude Velho e Açude Novo. Claro que é uma nominação mais fácil do que se chamar pelo nome. Alias, até hoje nunca soube o nome verdadeiro do Açude Velho!

O Açude Novo tem oficialmente o nome de Açude da Macela. No local, onde foi construído a represa (nos chamávamos Barragem), era comum a existência de uma planta com o mesmo nome.

Foto tirada neste século (Juares Gois). Mas olhando, desta perspectiva,
 não  se nota a diferença em comparação com tempos passados!
Lembro até hoje a primeira vez que fui ao Açude Novo. Meu pai gostava de vez em quando fazer uma pescaria e nesse dia sem mais nem menos me levou junto. Fez uma vara de pescar para eu ficar pegando piabas! O açude estava cheio e a água ainda não era tão poluída. Neta época ainda não existia as famosas tilápias. Os peixes comuns eram: jundiá, piabas, corrós e o preferido para captura eram as Traíras.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

O Cadeado !

Quando comprei meu primeiro carro era o orgulho em pessoa. Todo final de semana não deixa passar o banho e limpeza. Um chevett com dez anos de uso!

Todo sábado a tarde, lá estava eu orgulhoso lavando o carro. Passando um xampu. Nesta época, morava em um condomínio construído pela antiga Companhia de Habitação (COHAB), não existia o muro separando os prédios da rua e nem separando os prédios entre si. Era possível ver os moradores dos prédios vizinhos lavando os carros e motos. Podiam-se ver os peladeiros em atividade no campo ao lado do condomínio.

Terminado o trabalho de limpeza, coloquei o carro dentro da garagem e foi que percebi que o cadeado da garagem tinha sido roubado!

sexta-feira, 6 de junho de 2014

terça-feira, 3 de junho de 2014

Os Cebolas, os Tanques e as lagoas I

O Tanque do Povo

Quando entrei na escola fui reprendido algumas vezes, pelas minhas professoras, por que sempre me dirigia às lagoas como tanques! O interessante é como incorporei o vocabulário e nunca deixei de usá-lo.

Quando criança, minha mãe sempre me levava para a feira. Não lembro a primeira feira que fui e certamente devo ter ido à feira muito antes das lembranças que tenho do que é uma feira (quando nasci meu pai e minha mãe já vendiam na feira).

A primeira lembrança que tenho da feira (em Itabaiana - SE) foi em uma época de São João. No período de festas juninas sempre colocávamos uma banca (barraca) para venda de fogos de São João (Fogos de Artifício). Os fogos eram meu próprio pai quem os fabricava. Naquela época as barracas de fogos eram colocadas em frente a antiga Casa de Força (onde ficava a termelétrica que gerava energia para a cidade). Não sabia que era uma casa de força pelo motivo das pessoas nunca informarem, nem mesmo na escola, e o termo termelétrica só fui ter conhecimento de quando já estava estudando na universidade!

segunda-feira, 28 de abril de 2014

O que você está fazendo aqui?

Quando se passava no vestibular da década de 70 ou 80 do século passado (século XX) era uma verdadeira festa. Os aprovados tinham as cabeças raspadas (às vezes os amigos e parentes providenciavam o corte do cabelo mesmo contra a vontade do aprovado). Muitos faziam festas comemorando o acontecido. Claro que só os mais abastados davam festas para comemorar tal acontecimento, até por que a aprovação dos menos abastados era acontecimento muito raro, mas que sempre aconteciam.

A relação dos alunos aprovados no vestibular, natural de Itabaiana, era divulgada nas rádios e era motivo de orgulho da população local. Chamava à atenção a quantidade de pessoas aprovadas no vestibular proveniente de uma cidade pequena! É sempre bom lembrar que eram mencionados somente os nascidos na cidade de Itabaiana, por que se fossem relacionados os aprovados no vestibular dos estudantes oriundos do Colégio Estadual Murilo Braga a quantidade de aprovados eram bem maiores. Isso ocorria pelo fato do CEMB ter uma clientela proveniente não somente de Itabaiana e atendia a todas as cidades vizinhas ao município.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Lá só mora puta e viado!

Tem certas situações da vida que a pessoa só consegue ficar entendendo com o passar do tempo. No linguajar popular: quando a velhice vai chegando.

Quando criança, eu morava no que se chamava “Final de rua”. Era uma rua que tinha casa de um lado e do outro era sítios. A cidade era pequena (Itabaiana-SE, década de 70 do século XX). Desde o meu nascimento sempre morei nas proximidades do chamado Beco Novo (Rua Coronel Sebrão) e até a adolescência morava em casas alugadas.

Desde criança notava que as pessoas tentavam se engrandecer denegrindo a imagem dos outros. Sempre se tentava desqualificar ou denegrir, o semelhante, na tentativa de intimidar ou mesmo de se sentir grande. Isso era comum entre criança, adolescentes, adultos e era absorvido por todos (inclusive eu) como uma coisa normal. Para tentar desmoralizar o semelhante eram observados aspectos físicos, morais, classe social, local de moradia, etc. Acredito que em todas as sociedades existam esses procedimentos, mas existem lugares que são mais generalizados.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

OS BURROS INTELIGENTES DE ITABAIANA GRANDE (CRÔNICA)

Publicada no Facebook, no grupo Itabaiana Grande,em 07/03/2012

Por Maria do Carmo Costa

Hoje por um momento, na hora do almoço, me veio à lembrança, na visão de quando eu era criança e tinha oito ou nove anos de idade. Comentando à mesa que a carne estava gostosa, eu, minha filha Talita, e Pedro meu marido.
Eu então disse: "Não é nenhuma carne de Itabaiana (dando uma grande ênfase no tom de voz),mas tá gostosa sim.
E lembrei-me, e comentei com a minha filha, que ficou impressionada com o que lhe falei. Eu falei para ela, da visão que para mim era espetacular, que eu tinha todas as sextas-feiras à noite, quando eu ia à casa do meu avô , Zequinha das Sete Porta. A casa dele foi uma das primeiras a serem construidas na av. Otoniel Dórea. Era uma casa enorme, de esquina, ampla, com varanda, garagem, piso alto, imponente, tinha um jardim de papoulas amarelas e uma cisterna tão grande e funda que dava medo só de olhar. 

Até hoje eu fecho os olhos e memorizo essa casa todinha! Adorava passar os fins de semana lá. Nós íamos na sexta à noite e só voltávamos para casa no domingo à noite. Todo fim de semana era uma festa. Meu avô era seresteiro, tocava pistão num grupo e se apresentavam todas às sextas e sábados na varanda de casa. Era música a noite inteira. Era bom demais, as brincadeiras de criança com meus primos, brincar de esconde-esconde, cipozinho queimado, pula-pula, numa cama que tinha num quarto de visitas...

Essa casa fica do outro lado da rua, esquina com a que funciona hoje a FM Itabaiana, que na época era de D. Petrina mãe do político José Carlos Machado. Do lado esquerdo era nosso vizinho o Sr. José Martins. Descendo mais um pouco, morava o Sr.João Leite pai do José Hunald. Em frente, do outro lado da avenida moravam o Sr. Romeu fotógrafo pai de Reynolds e o Sr. Miguel Peixoto, pai do Dr. Airton Peixoto.

São lembranças de quase cinquenta anos, da minha infância, que hoje, durante o almoço,vieram à tona.
Era uma coisa que eu achava lindo!
Era da varanda desta casa, que eu via e me encantava, com aqueles burros inteligentes, que transportavam a carne de boi do matadouro municipal para o mercado, para ser vendida na feira do sábado
Vinham em fila indiana, com os lombos carregados de quartos de bois abatidos naquela mesma noite,há alguns minutos atrás!
Sem ninguém para tocá-los!
Vinham sozinhos! Fiquei sabendo hoje que quando chegavam ao mercado, os machantes sabiam de quem era a carne pelos nós das cordas, pela maneira como eles eram dados, ou por marcas ou sinais.Cada um tinha a sua marca diferente das outras.

Imaginem só vocês, jovens de hoje!
Nunca sumiu carne alguma!
Os burros passavam um a um, em passos lentos, se o da frente parasse, todos os outros que vinham atrás paravam.
E chegavam ao seu destino,com as cargas nos lombos!
Eu achava aquilo o máximo!
Aqueles burros inteligentes, descendo a av. Otoniel Dórea, até o mercado, carregados de fardos de carne de boi! Sozinhos! E voltavam para o matadouro depois que descarregavam suas cargas!
Sozinhos, na mesma fila indiana! E o que é mais incrível! Pelo outro lado da avenida, o que lhes dava mão para trafegar!

E eu esperava a próxima sexta-feira para vê-los passar novamente!
Agora imaginem isso hoje!
Será que eles chegariam ao seu destino, sãos e salvos?
E a carga será que chegaria completa?
Ou não chegaria coisa alguma ao mercado?

Se "perderiam" pelo caminho, no emaranhado de desonestidade, falta de caráter e roubalheira em que se transformou o mundo e os indivíduos.
Bons tempos aqueles vividos pela minha geração, onde os sentimentos que existiam eram amizade,confiança e respeito pelo que é do outro, e onde registro em cartório era tão somente a palavra empenhada.
Maria do Carmo Costa - 
Escreveu o livro - ALMA BRANCA

Este texto é replicado dp Blog da autora - MEUS ESCRITOS

segunda-feira, 31 de março de 2014

Engraxando Merda!

Nas feiras de todas as cidades é comum se encontrar crianças trabalhando como vendedores ou prestando algum tipo de serviço, não era e nem é diferente na feira de Itabaiana.
Final de feira no meio da semana  (uma quarta-feira).Década de 70 do século XX.
Foto conseguida no grupo Facebook Itabaiana Grande
A grande maioria dos serviços era de comércio de pequenos produtos, tais como: picolé, arroz doce, gaiolas, pássaros, sacolas, etc. Os tipos de serviços efetuados por crianças (às vezes por adultos), os mais comuns, eram: engraxate, amolador de facas (alguns amolavam tesouras), carregos (se pronunciava carrêgo!), etc. Muitos dos serviços prestados por crianças (às vezes por adultos) já não são possíveis de se praticar.

sábado, 15 de março de 2014

SAPATOS NA FARDA DO CEMB

Nos tempos em que era estudante, do CEMB (Colégio Estadual Murilo Braga), não era permitido a entrada de alunos sem farda. Claro que todos os alunos sempre procuravam comprar a farda, afinal de contas estudar no CEMB era motivo de orgulho (década de 60-70 do século XX) perante a comunidade. Os pais menos favorecidos, financeiramente, faziam grande esforço para conseguir a farda e manter os filhos na escola. Olhando as fardas, nos colégios públicos atuais, é comum as pessoas acharem que não era grande coisa e não havia grande dificuldade para se conseguir a farda. Só que na realidade eram duas fardas: uma farda de gala, só utilizadas em dias festivos (geralmente dias cívicos) e outra que era a farda utilizada no dia a dia das aulas.

Tipo de sapato usado
Nesta época, todos os alunos usavam sapatos pretos do Fabricante Vulcabrás. Tinha couro de Vaqueta, era macio e altamente resistente. Quando o solado ia acabando era só trocar. Quando era engraxado (dava um brilho muito bom) e ficava com a aparência de novo!

Pouco tempo depois começou a aparecer um tal de Vulcalite, do mesmo fabricante do sapato anterior, feito de material sintético e de custo bem mais barato. Era feito totalmente de material sintético, não precisava engraxar e  por ser sintético podia ser lavado. Passou a ser bem mais vendido,  porém dava um chulé daqueles! O mesmo esquentava, suava os pés, as meias ficavam úmidas do suor e fediam a chulé pro ficarem abafadas.

O acidente
Embora eu estudasse durante o dia, era comum de vez em quando se ir ao colégio a noite para utilizar a biblioteca. Em uma dessas ocasiões, indo para o colégio, aconteceu um acidente. Uma das casas que ficava na Praça Hunaldo Cardoso estava em reforma e todo o material (entulho) retirado estava jogado a frente da casa. Uma das peças (cumeeira) esta jogada atravessada em um dos morros de areia, em posição de gangorra. Justamente quando eu ia passando, um dos colegas que estava do lado oposto pressionou a peça para baixo e soltou! A peça que estava em gangorra, ao cair de volta, acertou de cheio o meu dedão da perna esquerda. Não senti nenhuma dor e apenas saiu sangue por debaixo da unha. Não doeu na hora, por que no dia seguinte estava inflamado, não pude calçar os sapatos e antes de ir para o colégio tive de passar no Hospital Rodrigues Dórea (não existe mais), para arrancar a unha.

Hospital Rodrigues Dórea (foi demolido)

O uso dos sapatos
Como não podia calçar o sapato, no pé esquerdo, fui para a aula usando sandálias de couro. Só que as normas eram rígidas e a pessoa não podia entrar no colégio sem está com a farda completa!. Os meus colegas sempre me questionando que poderia correr o risco de ser suspenso e que Dona Maria Pereira (a diretora da época) não deixaria assistir as aulas sem os sapatos.

Ao passar pelo porteiro, ele me interpelou que não podia entrar sem está calçado os sapatos! Eu mostrei que tinha arrancado (extraído) uma das unhas e não poderia calçar os sapatos. Ele deixou bem claro que um pé poderia ficar sem os sapatos, mas teria que usar o sapato no outro pé! Falei que não iria ficar usando um pé com sapato e outro sem, por que ficaria parecendo que estava aleijado e que isso faria mal a coluna. O mesmo me fez a seguinte proposta: você pode entrar sem os sapatos, mas quando Dona Maria (a diretora) perguntasse por que estava sem usar os sapatos e como conseguiu entrar, sem os sapatos, eu deveria dizer que entrei sem que ele tivesse visto? Aceitei e falei que ficasse despreocupado.

Diretora Maria Pereira,
mas o nome verdadeiro era
Maria da Conceição
Durante o recreio, uma das inspetoras de ala, me interceptou e deu o recado que a diretora queria falar comigo! Nem precisei ir até a diretoria, bastou que eu desse meia volta, três passos e já estava bem de frente a temida Dona Maria Pereira. Ela foi logo questionando: é por que você está sem usar os sapatos? Que respondi: estou com a unha do dedão, do pé esquerdo, arrancada e dedão está inflamado. Ela não pensou duas vezes: vem um pé com sapato e outro de sandálias? Mas como sempre fui insistente: mas Dona Maria! Um pé com sandália e outro com sapato? Eu fico parecendo aleijando e mancando! Sem falar, que isso faz mal a coluna, isso foi o professor de ciência que disse na sala de aula! Se ensina (ensina-se) uma coisa e se faz outra? Dona Maria olhou, ficou calada durante alguns segundos (eu olhando para ela sem piscar) até sair o veredito: tudo bem, você vem sem os sapatos enquanto o dedo estiver doente, mas se depois que o pé estiver bom e você for pego sem os sapatos, eu te mando para casa de suspensão, entendeu? Que respondi: entendi sim senhora, muito obrigado!

Nesta tomada podemos ver o Hospital Rodrigues Dórea e ao fundo o
Colégio Estadual Murilo Braga (CEMB)
Antônio Carlos Vieira
Licenciatura Plena - Geografia (UFS)
http://carlos-geografia.blogspot.com.br

sábado, 1 de março de 2014

Documentos sumiam!

Foto que mostra o Colégio Estadual Murilo Braga no período que estudava.
Quando entrei para estudar no Colégio Estadual Murilo Braga (CEMB) ainda existia a figura da Admissão (último ano). A Admissão era uma forma de escolher os alunos que deveriam ocupar as vagas do chamado Ginasial. Estudei o chamado Primário na Escola do Rotary Club (professora Jozeíza), Escola Santa Terezinha (professora Dona Helena), as duas localizadas no Beco Novo (Rua Coronel Sebrão), e por dois meses na Escola de Maria de Zizi, localizada na Rua das Flores - Itabaiana -SE. 

Quando estava estudando o chamado Primário (no quarto ano) foi ofertado por uma destas escolas particulares (da Capital), a oportunidade de se fazer admissão e se conseguir uma vaga no Ginasial. 

sábado, 25 de janeiro de 2014

O GRILO JOGADOR

Quando entrei no chamado ginasial tinha apenas 10 anos de idade e o colégio CEMB (Colégio Estadual Murilo Braga) tinha somente uma quadra esportiva para prática de Educação Física. Mas o governo resolveu construir mais uma quadra e lá se vai propaganda massiva. Não se falava outra coisa no colégio e como o colégio era uma espécie de alma viva da cidade de Itabaiana (SE), toda a cidade estava a par do fato.


Uma quadra poliesportiva!

O local escolhido, para construção, foi ao lado da quadra existente e hoje no local (das duas quadras) existe o Ginásio de Esporte José Milton Machado (O Militão). A quadra existente era de cimento liso, sem divisões e com travessões fixos. A nova quadra foi construída entre a quadra existente e o muro dos fundo do colégio, de cimento crespo (aconselhável o atleta não cair), dividida em quadrado (para evitar rachaduras com a dilatação) , tinhas traves móveis, suporte para prática de basquetebol, tinha desenho para pratica de handebol, futebol de salão e era cercada por canos! Os canos não tinha rede de metal como era e é comum nos alambrados que cercam locais fechados.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

O MÚSICO DOIDO!!!


As vezes algumas coisas passam a vida inteira para que a gente saiba por que ocorreu. Tem um colega que, Professor de História, sempre o chamo de doido. Eu só não, alguns colegas que no passado tocaram na Banda Marcial do Colégio Estadual Murilo Braga.

Os anos se passaram, eu me formei em Licenciatura Plena - Geografia, fui morar em Aracaju e ele foi pelo mesmo caminho, só que se formou em Licenciatura Plena - História.

Certo dia eu estava entrando no CEMB (Colégio Estadual Murilo Braga), lá vinha ele e de lá: Antônio Carlos, e aí, tudo bom? E eu respondi: “oi X doido, tudo bem?”. Ele se aproximou e me fez a seguinte pergunta : rapaz, depois que passeia tocar na banda, alguns colegas sempre me chamam de doido, só que nunca me explicaram porque? E eu: Não sabe?

A explicação
Quando ainda tocávamos no colégio (na Banda Marcial), toda vez que saíamos do colégio, depois dos ensaios, saíamos em grupos. Você sempre foi o mais brincalhão de todos, o mais introvertido, algumas vezes vocês sempre brincava com os garotos, cumprimentava a todos que passavam e as vezes colocava os cachorros para correrem . Pelo menos duas vezes eu vi você colocar o mesmo cachorro para correr e ameaçando o bater no mesmo com o clarinete!!!.

Ele olhou surpreso, e falou : rapaz , sabe que eu nunca tinha percebido e nunca soube por que sempre me chamavam de doido! E por que não me avisaram logo da primeira vez?

Como eu também fiquei surpreso pelo fato do mesmo não saber o motivo: quer dizer que você correu atrás daquele cachorro, ameaçou bater com o clarinete e não percebeu o que estava fazendo? Ele: não. Que eu perguntei: mas em uma dessas vezes eu escutei perfeitamente quando o Valtênio gritou com você: oh rapaz? Você tá doido é? Querendo bater o cachorro com o clarinete?” Foi a partir desse dia que sempre te chamaram de doido!!!

Não precisa dizer que a partir deste dia não mais o chamei de doido, até por que, atualmente, ele se tornou um bom professor de História e só agora ele sabe o motivo de ser chamado de doido. E mole?
Antônio Carlos Vieira
Licenciatura Plena - Geografia (UFS)

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

O SILÊNCIO DO SOM

Conhecido como trompete ou pistom
Quando estudava a 8ª série do primeiro grau (hoje 9ª série), tinha quinze anos de idade, fui convidado, com vários colegas, para aprender música. O professor de Matemática Gabriel e um dos colegas de turma (Valténio) resolveram colocar uma banda marcial no CEMB (Colégio Estadual Murilo Braga).

Comecei aprendendo um instrumento chamado trompa, as vezes tocava o surdo ou o tarol (em alguns locais é conhecido como caixa). Depois passei a tocar trompete (em alguns locais se chama pistom). Claro que passei a tocar trompete achando que dava mais visibilidade e sem falar que a pessoa tocando trompete conseguia ganhar algum dinheiro tocando em algumas festas.