sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Os Cebolas, Os Tanques e as Lagoas VII

As lagoas escondidas

É muito comum deixarmos passar despercebidos detalhes dos locais onde moramos e um desses detalhes despercebidos eram quatro lagoas existentes próximo onde morava na Rua Hunaldo Cardoso (hoje se chama Rua Zeca Mesquita).

Quando fui morar na Rua do Ouvidor (Rua Monsenhor Constantino) tinha seis anos de idade e quando minha mãe ia vender na feira me deixava aos cuidados da família de seu Armilindo. Ele tinha uma “budega” na esquina com o Beco Novo e a residia na parte dos fundos da casa.

Em uma dessas ocasiões choveu durante toda a manhã. No fundo da residência existia um bueiro e neste dia passava uma água forte e constante. Eu, juntamente com alguns garotos conseguimos um jereré e ficamos pescando neste bueiro. Chegamos a pegar algumas piabas, foi quando o controle familiar chegou com medo que fossemos arrastados pela água.

Alguns dias depois, como toda criança curiosa, pequei uma cadeira e subir por cima do muro para ver de onde vinha à água que passava pelo bueiro. Uma lagoa na parte do fundo do terreno, pertencente a Seu Zeca, no lado esquerdo olhando do beco. Hoje essa lagoa não existe mais e por incrível que pareça, o terreno continua sem construções depois de mais de quarenta anos.
Existia uma lagoa no canto do terreno na parte dos fundos. Na época na existia a 
casa com a antena parabólica, somente a casa da esquina. Quando chovia a água
 se espalhava por todo o terreno.