quinta-feira, 15 de setembro de 2016

ROBÉRIO ABRE CANAL NO YOUTUBE SOBRE CULTURA


Um novo conceito de transmissão de vídeos vem sendo extremamente divulgado nas redes sociais. Programas com dias certos para serem exibidos, parcerias e produção está cada vez mais comum. Pensando nisso, Robério Santos abriu no dia 2 de setembro de 2016 o canal “Verdade ou Mentira?”, onde agrega ciência, religião e cultura num espaço só. Com produção própria e sem apoio financeiro, Robério exibe um programa por semana, todas as sextas-feiras. O primeiro a ser trabalhado foi a história do famoso brinquedo de circo, a MONGA, onde ele trabalha o lado científico e histórico. Para encontrar o canal, basta procurar por JULIA MONGA, pois trata a história original desta atração. O canal tem como meta exibir 52 programas ao ano com temas diversos


.

domingo, 11 de setembro de 2016

O voto de cabresto dos cebolas

Quando passei no vestibular e fui estudar na Universidade (UFS), década de 80 do século XX) entrei em contato com diversos colegas que viviam em várias cidades. Era comuns essas pessoas tocarem no assunto política e a cidade preferencial, para este assunto, era justamente a política de Itabaiana.

Uma das coisas que mais se comentava era como se mantinha os chamados currais eleitorais e a que sempre me chamou a atenção é que grande parte desses novos colegas sempre me perguntavam qual o líder político foi o meu padrinho de batismo. Eu achava a pergunta estranha, já que os meus padrinhos de batismo não eram políticos, mas depois de perguntar a vários desses colegas que estudavam na universidade descobri que muitos realmente eram batizados pelo líder politico por ocasião do nascimento dos mesmos!.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

A Feira de Itabaiana XI - As pequenas feiras

As pequenas feiras eram na realidade venda de produtos que surgiam e sumiam com o período das safras. Entre os produtos que mais se destacavam eram: o milho, banana e jaca.

O milho aparecia (sempre aparece) no período das festas juninas e a maioria dos vendedores se concentrava no final da pedra do Largo José do Prado franco e início da Avenida Otoniel Dória. Eram vendidos jogados no chão por cima de lonas e no final do dia ficava a pedra da feira e as ruas próximas sujas de palhas.

milho1.JPG
O milho sempre aparece no período das festas juninas e são geralmente
 vendidos no chão. No final ds vendas deixam as palhas espalhadas pelas
 redondezas.
As bananas eram vendidas em quase toda a feira, mas a grande concentração em número e espécies era na pedra do Largo José do Prado Franco, se colocando logo depois da Feira dos Fato, ficando bem em frente a Câmara Municipal dos Vereadores.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

A Feira de Itabaiana X - A Feira das trocas

A mais antiga de todas as feiras e que deu origem as feiras atuais. Quando ainda não existia a moeda, como padrão de troca de produtos ou serviços, as pessoas iam para as feiras para trocarem os produtos. É claro que a quantidade de produtos diferentes e com valores diferentes dificultavam a trocas entre eles. Mas, a simplicidade do consumo nas primeiras sociedades também facilitava a troca e com a exigência de uma sociedade mais organizada foi que aparecem as moedas como padrão de trocas.
Feira das trocas que atualmente é realizada em frente ao Estádio Eltevino Mendonça.
Foto conseguida na Itnet.
Essa feira é a ovelha negra das feiras apesar de ser a mãe de todas as feiras. Em Itabaiana essa feira é a mais itinerante de todas. A primeira feira das trocas, em Itabaiana, que tenho notícias ficava bem no finalzinho do largo José do Prado Franco, depois foi expulsa para uma parte já aterrada do Tanque do Povo, bem ao fundo da Quadra do Glai (onde fica a parte dos fundos do atual mercadão), logo depois essa feira foi se instalar em frente ao Estádio Presidente Médici (hoje Estádio Eltevino Mendonça) e a última vez que estive nessa Feria foi na praça ao lado do Colégio Airton Teles. Hoje a feira se localiza, mais uma vez, em frente ao Estádio Presidente Médici (atual Estádio Eltevino Mendonça)

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

A Feira de Itabaiana IX - A Feira das panelas


Diversos produtos artesanais feitos de barros
Os produtos vendidos nesta feira certamente são uns dos primeiros a criar motivo para o surgimento das feiras. É uma espécie de irmão rejeitado pelas demais feiras e por isso fica a ideia de uma feira itinerante dentro da feira. Primeiramente esta feira ficava na pedra do Largo Santo Antônio, depois foi transferida para a pedra principal do Largo José do Prado Franco, para depois ser transferida para a pedra (no mesmo largo José do Prado Franco) em frente ao vapor de Seu João e finalmente está até hoje ocupando espaço em via pública na Av. Otoniel Dória.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

A Feira de Itabaiana VIII - A Feira das carnes


O Mercado como era antigamente

O mercado como é hoje
Um fato interessante é que para a população de Itabaiana não existia a Feira das Carnes. Todo mundo saia de casa para fazer feira e passar no mercado para comprar carne! Nunca ouvi alguém falar que ia para Feira da Carne! Os miúdos dos boi e dos porcos eram vendidos no Largo José do Prado Franco (Feira dos Fato), mas as carnes de boi e porco eram vendidas totalmente nos dois mercados. Outro fato interessante é que os mercados eram registrados como Mercados de Talho e nunca ouvi alguém mencionar o mercado com esse nome.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A Feira de Itabaiana VII - A Feira dos “Fato”

Nesta feira eram vendidos, em grande maioria, os miúdos do boi e do porco (também conhecidos como bofe), tais como: tripa, fígado, rins, bucho, língua, rabada, mocotó, etc. 

As pessoas costumavam tirar gozação com quem consumia os produtos vendidos nesta feira, alegando que eram produtos de segunda qualidade e eram somente para pessoas de baixa renda. É bom lembrar que embora fosse a Feira dos Fato, nela se vendia charque (jabá), linguiça, caranguejo (quando aparecia), tinha duas bancas de peixes onde se podia comprar pilombeta, sardinha e cumatá (eram os mais vendidos). Todos esses produtos eram considerados produtos de consumo para pessoas pobres e atualmente, por ironia, são considerados produtos de primeira qualidade, consumidos por pessoas de classe média e nem sempre tão acessíveis as pessoas mais humildes.

jaba-feira.JPG
Jabá
mocoto_bovino.jpg
Mocotó
sarapatel.jpg
Miúdos para sarapatel
A feira carecia de higiene e eram vendidos em bancas feitas de madeira no largo José do Prado Franco, em frente ao Mercado da Carne, por um lado

terça-feira, 2 de agosto de 2016

A Feira de Itabaiana VI - A Feira dos Sapatos

Ocupava parte do Beco dos Cocos e uma parte ficava dentro do Mercado das Carnes, entre a feira das farinhas e a de venda de carnes. O interessante é que nessa época existia uma banca dentro do mercado que vendia jóias e ficava bem no meio das bancas de vendas de calçados!
Mod.33             Sap.88.JPG
sapato-botina-bota-couro-solado-pneu-215301-MLB20306001478_052015-F.jpg
Os sapatos e sandálias que eram vendidos nestas bancas eram de fabricação local das fabriquetas de fundo de quintal existentes na cidade. Entre os principais

segunda-feira, 25 de julho de 2016

A Feira de Itabaiana V - A Feira dos Jogos

O número de bancas de jogos nesta feira era muito variável de uma feira para outra, mas era composta de uma única fila. Essa feira tinha uma característica muito peculiar: essa sumia, do Largo Santo Antônio, durante o mês de dezembro e aparecia na chamada Feiras de Natal (com um maior número de bancas e tipos de jogos), acompanhadas com os brinquedos peculiares a esta feira que na realidade é uma festa religiosa, apesar da grande quantidade de jogos de azar.

Os tipos de jogos mais praticados eram Pio, Roleta e Bingo. Existam outros tipos de jogos, mas os três citados eram os que sempre apareciam nas feiras e eram sempre as mais procurados.

Jogos de Pio (de Dados)


Eram basicamente de dois tipos. Um que se jogava dois pios rolando (se dizia bater o pio) em uma mesa feita, especialmente para esse jogo, e quem conseguia o maior número somando os dois pios era o vencedor (existiam variações mas esse tipo era o mais comum). O outro era uma mesa com seis números desenhados (de um a seis) e o banqueiro tinha uma caneca de couro, com cinco pios que era balançada e postada na mesa com a boca virada para baixo, era retirada a caneca, os pios as amostra com mais de um naipe eram pagos aos jogadores que apostavam nos número (eram colocadas fichas nos número), as fichas eram pagas com outras fichas pela quantidade de naipes daquele