quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Os cebolas e a mania de grandeza

Quando morava nas proximidades do Beco Novo (Rua Coronel Sebrão), na Cidade de Itabaiana, eu e os colegas de infância costumávamos ir para a conhecidíssima “Fazenda Grande” (também era conhecida como Campo do Governo) e, sempre ia pela estrada que passava pela barragem do Açude Velho. Saíamos de onde morávamos, Rua Dr. Hunaldo Cardoso (atual Rua José Mesquita), seguindo em direção da Serra de Itabaiana (direção Leste), atravessando pelo lado do Açude Velho (passávamos por cima da barragem de concreto) e, do outro lado seguíamos caminho passando ao lado dos sítios do Sr. Vasconcelos (à direita), à esquerda, ficava o sítio do pai de Arnaldo (eles tinham sítio, mas moravam na cidade, e, justamente na Rua Dr. Hunaldo Cardoso), filho de Dona Hora.

O maior Eucalipto do Mundo

Saindo da onde morávamos até chegar no Açude Velho, passávamos ao lado de um sítio que tinha um pé de Eucalipto enorme. Segundo os moradores daquela época, era o maior Eucalipto do mundo! Esse pé de Eucalipto era solitário, mantido sempre limpo e podado durante todo o tempo. Tinha um tronco linheiro (em linha reta), sem galhos, e, uma copa na parte superior. Certamente, tinha mais de vinte metros de altura, mas, ninguém contestava em ser o maior do mundo, por não conhecer a existência de outro maior. Mas, mesmo assim, todos afirmavam que era o maior do mundo!

O Mercado Celeiro do Estado.

Durante um período, a produção hortigranjeira de Itabaiana abasteceu grande parte das cidade vizinhas, e, a capital do Estado (Aracaju). E, em decorrência da grande produção e abastecimentos destas cidades, foi considerada a cidade Mercado Celeiro do Estado. Acredito que em decorrência desse título é que se desencadeou a mania

terça-feira, 6 de outubro de 2015

O que o cebola soube de Aracaju !

Ao descobrir o Brasil,Pedro Álvares Cabral confundiu os nativos com os habitantes da Índia e como consequência ele chamou os nativos de índios. Até hoje, de maneira errônea, nós chamamos os nativos de índios!

Mas esses tipos de erros se perduram no tempo e por incrível que pareça, são registrados nos livros de História, é uma tradição e herança que temos dos portugueses. Para isso vamos ver algumas coisas estranhas na cidade de Aracaju-SE.

Ponte do Imperador

Desde criança fomos informados que Dom Pedro I desembarcou em uma ponte na Cidade de Aracaju-SE. Quando a pessoa visita, o que seria uma ponte, é na realidade um ancoradouro de barcos! Isso é registrado nos livros de História de Sergipe até os dias atuais!


Avenida Euclides Figueiredo.

Essa Avenida, que não é avenida, liga a Cidade de Aracaju ao Conjunto João Alves Filho (Conjunto Siri), em Nossa Senhora do Socorro. Foi projetada para ter duas vias e foi construída com apenas uma, embora a prefeitura tenha recebido repasses (dinheiro) do governo Federal para construir uma Avenida. O então Presidente (ditador) General João Figueiredo reclamou que tinha mandado recursos para construir uma avenida e construíram uma rua! A avenida (rua) foi batizada de Euclides Figueiredo em homenagem ao pai do Ditador Militar da época e foi quem mandou os recursos para construção da mesma!

Os terrenos as margens desta rua foram doadas e ela acabou ficando estreita para o grande volume do tráfego de veículos e como consequência existe