sexta-feira, 6 de setembro de 2013

OS PÁSSAROS SOLTOS E A ESTUPIDEZ DE UM CEBOLA!


Cabeça, Cabeça Vermelha
ou Galo de Campina
Até os doze anos de idade criava vários pássaros, entre eles: caboquinho , dois bigodes, dois cabeça, um sofrê, um azulão, um chupacapim

Entre esses pássaros, o que mais gostava era um dos caboquinho, simplesmente por que ele saia da gaiola e vinha comer na minha mão e estranhamente, depois de se alimentar, voltava para a gaiola, tanto é que depois de um certo tempo passei a não mais fechar a gaiola.

Um dos cabeças e o bigode eram os que mais incomodavam os vizinhos. Cantavam até durante a noite! Já o sofrer nunca cantou durante o tempo em que ficou prisioneiro! Embora o mesmo nunca tenha cometido algum crime!

Eu falei que o sofrer nunca cantou durante o tempo que ficou preso, por que algum tempo depois, vendo uma senhora, que morava próximo, criando alguns pássaros soltos, me convenci que era melhor soltar a todos e foi o que fiz.

O Sofrê constumava imitar os cantos de outros pássaros.
Alguns eram treinados para cantar o Hino Nacional do Brasil.
No dia em que soltei todos eles, eles  sumiram! Para minha surpresa, no dia seguinte todos estavam de volta, uns dentro das gaiolas, outros pousados sobre a mesa da cozinha e outros pousados na goiabeira (um dos cabeças e o sofrer) que ficava no quintal.

Mas a surpresa maior não foi essa e sim que os mesmos estavam cantarolando mais do que nunca! O sofrer (esse não voltou para a gaiola), agora acompanhado de uma fêmea, e um dos cabeça cantavam bem mais que os outros pássaros (eles não cantavam quando prisioneiros) e o mais interessante é que o sofrer imitava o canto dos ex- colegas de moradia.

O Sofrê é uma das espécies ameaçada de extinção!
Pertence a família dos pássaros pretos e das pêgas.
Mesmo depois de soltar a todos e como todos sempre retornavam pela manhã, eu sempre deixava as gaiolas com alimentos para que os mesmos se alimentassem quando retornavam pela manhã.

Só que a ganância do ser humano não tem precedentes! Apareceu um desses criadores tentando capturar o cabeça e também o sofrer!. Alegava que pássaros soltos não tinham donos! Na realidade, os pássaros não mais me pertenciam, eram seres livres.

Só que por ironia do destino, ele nunca conseguiu capturar nenhum dos pássaros e então o sujeito matou o cabeça e dias depois o sofrer! Depois de matar cada um dos pássaros, o sujeito soltou a seguinte frase: se não for meu não será de ninguém!!!!!

Depois desse episódio, nenhum dos pássaros voltou para o quintal da minha casa e não mais os vi pela redondeza!

Antigamente os Cabeças Vermelhas viviam em bando a faziam arribação
igualmente as chamadas rolinhas.
Antônio Carlos Vieira
Licenciatura Plena - Geografia (UFS)

Nenhum comentário:

Postar um comentário